segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Filme traz história da talidomida no Brasil

Diretora de documentário foi atingida por síndrome que afeta membros, assim como 800 brasileiros ainda vivos
País é o único onde há três gerações de vítimas do medicamento, que era receitado contra enjoos e causava danos a fetos
Adriano Vizoni/Folhapress
Claudia Marques Maximino, que dirigiu documentário sobre efeitos da talidomida
Claudia Marques Maximino, que dirigiu documentário sobre efeitos da talidomida
CLÁUDIA COLLUCCI DE SÃO PAULO
Vítimas brasileiras de um dos maiores erros da história da medicina, a síndrome da talidomida fetal, lançam amanhã o primeiro documentário contando toda a trajetória da luta em busca do seus direitos no país.
A talidomida chegou ao mercado há 55 anos e, além de ser usada como sedativo, também era receitada contra o enjoo das grávidas. No anos 1960, foi responsável pelo nascimento de ao menos 12 mil crianças com deficiência, principalmente pelo encurtamento de braços e pernas.
Em 1961, vários países retiraram a droga de circulação, o que só ocorreu após quatro anos no Brasil. No entanto, o país voltou a utilizá-la no tratamento da hanseníase.
Desde 1997, a substância passou a ser restringida no caso das mulheres em idade fértil e só pode ser usada em determinados casos de hanseníase e outros males, como a doença de Crohn.
O país teve a segunda e, agora, a terceira geração de vítimas da talidomida -fato inédito no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde. Ao todo, são 800 pessoas ainda vivas, a última diagnosticada há dois anos.
"É uma vergonha. O mundo tem de saber disso", diz o agente de viagens Luiz Otávio Falcão, 51, que nasceu com deficiência nos braços.
Além de depoimentos das vítimas, o documentário "Tá Faltando Alguma Coisa" (1h15 de duração) traz relatos de técnicos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, e do INSS, de advogados e promotores, por exemplo.
"O documentário mostra essa visão crítica do sistema, a luta diária em busca dos nossos direitos", afirma Claudia Marques Maximino, presidente da ABPST (Associação Brasileira dos Portadores da Síndrome da Talidomida) e diretora do filme.
Cláudia nasceu em 1962 sem as duas pernas e um braço-o outro braço é defeituoso. Formada em administração de empresas e pós-graduada em recursos humanos, dirige a associação, criada com a ajuda do então governador Mario Covas (1930-2001), desde 1991.
"Naquela época, não tínhamos direito a quase nada. Conseguimos mudar a lei [em 1993], estabelecendo uma pensão de um a oito salários [dependendo do grau da deficiência] e incluindo o direito a próteses. Ainda hoje, às vezes, só se ganha no grito."

PRESSÃO
Em 1993, na Câmara dos Deputados, Cláudia chegou a ameaçar tirar as pernas mecânicas e pular de mesa em mesa para caso os parlamentares não aprovassem o projeto- que acabou sendo aprovado por unanimidade.
A carioca Wanda Soares Santos, 48, outra vítima que aparece no documentário, lembra-se bem das dificuldades que enfrentou até conseguir o direito à pensão.
Nascida com defeitos nos dois braços, conseguiu terminar o ensino fundamental com a ajuda das professoras. "Não tinha coordenação porque nunca fiz fisioterapia. Minha família era muito pobre."
Em 2010, as vítimas da talidomida ganharam direito a indenização por danos morais. O valor varia de R$ 50 mil a R$ 400 mil. Das 650 pessoas com direito ao benefício, 150 ainda não o receberam.
A ideia de Cláudia é distribuir o documentário em escolas médicas e de direito. "Precisávamos desse registro histórico para que uma tragédia não aconteça mais." Mais informações no site www.talidomida.org.br.

Fonte: Jornal Folha de São Paulo

Um comentário:

  1. muito boa essa informação,
    isso tem que ter uma ampla divulgação!

    ResponderExcluir

Oferecemos arquivo de textos específicos, de documentos, leis, informativos, notícias, cursos de nossa região (Americana), além de publicarmos entrevistas feitas para sensibilizar e divulgar suas ações eficientes em sua realidade. Também disponibilizamos os textos pesquisados para informar/prevenir sobre crescente qualidade de vida. Buscamos evidenciar assim pessoas que podem ser eficientes, mesmo que diferentes ou com algum tipo de mobilidade reduzida e/ou deficiência, procurando informar cada vez mais todos para incluírem todos.